FORA LULA

Patriotas de Cachoeira do Sul mantêm mobilização por intervenção militar

07/01/2023 19:53 - por Luíza Silva

Representantes da direita permanecem acampados na Praça da Nações

O presidente Lula completa neste domingo uma semana de governo, mas continua enfrentando por todo o país manifestações de cidadãos inconformados com o resultado da eleição. Em Cachoeira do Sul, neste sábado, o grupo de direita que acredita na fraude eleitoral voltou a cumprir seu ritual diário e foi à frente do quartel pedir intervenção militar.

O protesto reuniu cerca de 80 manifestantes, muito deles enrolados com a bandeira do Brasil. Enquanto isso, outros 20 permaneceram guarnecendo o acampamento que funciona como símbolo de resistência à volta da esquerda ao poder.

O ritual dura menos de uma hora. Eles se reúnem na Praça das Nações, em frente à guarnição do Exército, e caminham por cerca de 400 metros até o portão do Batalhão Conrado Bittencourt embalados pela canção "Eu te amo, meu Brasil". A música é amplificada por um caminhão-som. 

No portão do quartel, eles cantam o Hino Nacional, o Hino Rio-grandense e o Hino do Exército. Ao final, depois da oração Pai Nosso, os patriotas repetem por três vezes o grito de guerra "SOS Forças Armadas". A faixa carregada à frente da caminhada deixa claro o objetivo dos manifestantes: intervenção militar.

O horário marcado para as manifestações diárias é sempre às 18h30min, quando os cachoeirenses se dirigem à Praça das Nações e de lá iniciam a caminhada. Em menos de uma hora eles já estão de volta e logo em seguida se dispersam. 

Alguns permanecem por mais tempo no Acampamento Patriota, instalado desde 2 de novembro, logo depois da eleição que deu a vitória a Lula e frustrou a tentativa de reeleição do ex-presidente Jair Bolsonaro. 

A barraca que funciona como sede do acampamento foi reinstalada num dos cantos da praça. A estrutura anterior foi solicitada de volta pelo proprietário, mas no dia seguinte, segunda-feira passada, a nova barraca já estava erguida, exatamente no mesmo local.

O protesto diário dos cachoeirenses é conduzido ao microfone do caminhão-som pelo psicanalista Érico Magalhães, 42 anos. Na opinião dele, a eleição presidencial foi manipulada, as urnas foram fraudadas e a população não reconhece o resultado oficial. 

"Enquanto o código-fonte das urnas eletrônicas não for apresentado, continuaremos com as manifestações", garante.

Faça seu login para comentar!

Até quando, JP?

Daniel Falkenberg em 09/01/2023 às 10h52

O genocida mentiroso fugiu enquanto era presidente... Sobraram milicianos bolsonaristas golpistas, muitos violentos ou armados, alimentados pela rede de mentiras e por empresários criminosos. Até quando o JP vai tratar estes antidemocratas como "patriotas"?

28/01/2023 00:05

GOVERNO JOSÉ OTÁVIO

Smed vai analisar reprovação

Prefeitura ainda não divulga número de alunos reprovados

26/01/2023 09:06

CONTEÚDO DO JP IMPRESSO

José Otávio precisará de transfusão de sangue

Medida servirá para que ele tenha condições de passar pelo procedimento cirúrgico

26/01/2023 00:06

CIRURGIA DO PREFEITO

José Otávio precisará de sangue

Medida servirá para que ele tenha condições de passar pelo procedimento cirúrgico

25/01/2023 00:04

MÉDICO NÃO AUTORIZOU

Prefeito perde cirurgia de novo

Exames pré-operatórios não atingiram os níveis exigidos

24/01/2023 15:43

Prefeitura

Exames pré-operatórios não satisfazem e cirurgia do prefeito é adiada

Mesmo assim, Angela Schuh seguirá como prefeita em exercício

24/01/2023 00:03

TROCA NO PAÇO

Prefeita Angela

Prefeito vai para a cirurgia e vice assume

23/01/2023 00:03

GOVERNO NOVO

Missão pela UFSM fica para fevereiro

Promessa de Lula de tocar obras inacabadas entusiasma campus de Cachoeira pela segunda fase

21/01/2023 00:03

DRAMA NAS ESCOLAS

Autistas desafiam a Prefeitura

Monitores serão nomeados segunda-feira, mas não vão dar conta

20/01/2023 15:50

Concurso público

Prefeitura anuncia nomeação de 45 monitores escolares

Portaria de nomeação deve estar no Diário Oficial na segunda-feira

20/01/2023 00:06

GOVERNO NOVO

UFSM respira novos ares

Lula reúne os reitores e promete novo tempo para as universidades