Crueldade

21/01/22 às 08h40



De autoria do cineasta  holandês Willy Lindwer,“Os últimos sete meses de Anne Frank” (Editora Universo dos Livros, 236 páginas, R$ 19,90) fala sobre o período chamado de “não escrito”, que é o capítulo  final do famoso diário de Anne Frank em que é  relatado o tempo entre a prisão  e a sua morte.

A história do livro é contada por meio dos testemunhos de  seis mulheres judias que sobreviveram  ao inferno do campo de concentração  do qual Anne nunca mais voltou. Inicialmente o cineasta Willy Lindwer filmou um documentário a  respeito do assunto e, depois disso, resolveu transformá-lo em livro. Para tanto, ele entrevistou as seis mulheres,  algumas que a conheceram  antes de sua deportação   para o campo nazista, outras durante  seus meses finais em confinamento.

As histórias contadas são semelhantes:o tratamento no campo, a forma como conheceram as irmãs  Frank e  a  maneira como todas foram inexplicavelmente  tocadas por suas vidas. Uma das sobreviventes, inclusive,   teve a difícil missão de confirmar a Otto Frank as mortes de suas filhas, Anne  e Margot.

O livro é considerado um triste relato   de uma crueldade inimaginável e do milagre ocorrido  para que os que sobreviveram  pudessem  contá-lo  com suas próprias palavras.

Willy Lindwer  é filho de judeus   que se submeteram  à clandestinidade durante a ocupação alemã. Já produziu diversos documentários  para a televisão em seu país e  também esteve envolvido na coprodução  de filmes internacionais.  Seu documentário  sobre os últimos sete meses  de Anne Frank foi exibido  pela primeira vez  na Rede Pública de  Televisão para marcar o 60º. aniversário do nascimento de Anne.  A obra ganhou um prêmio Emmy.

O trabalho de pesquisa e preparação para o filme levou  mais de dois anos e foram necessárias várias conversas preliminares  antes que as entrevistas pudessem ser gravadas.  Ao expor suas experiências,   as mulheres enfrentaram  estresse emocional e psicológico, mas, mesmo assim,   foi mais forte a necessidade de contar as histórias.

Trecho:
“Nos galpões, dormíamos em beliches construídos em três níveis.  Cada cama era para duas pessoas, portanto, em teoria, seis pessoas cabiam em cada beliche.  Mas as coisas não funcionavam assim porque, em vez de nos deitarmos  longitudinalmente, deitávamos  na largura do beliche,  sempre em cinco ou seis pessoas.  Por isso, ficávamos terrivelmente apertadas.  As tábuas rangiam o tempo todo  por conta do peso. Se tivéssemos sorte, havia um pouco de palha  no beliche; se não houvesse, tínhamos apenas  nossos cobertores, e  descansávamos a  cabeça sobre os punhos. Mantínhamos todas as nossas posses  reunidas e protegidas: o pente, a colher e, se tivéssemos, a  faca e o pote.  E os colocávamos debaixo da cabeça. Se deixássemos  algo no pote ou na xícara, possivelmente seria roubado.”
(página 73)
    
THIAGO E OS ESTATUTOS   
Na última sexta-feira, dia 14  de janeiro, faleceu aos 95 anos o poeta amazonense Thiago de Mello, um dos grandes nomes da literatura brasileira. Também ensaísta e tradutor, Thiago enfrentou a ditadura militar brasileira, chegou a  ser preso e passou anos exilado em outros países, como Argentina, Chile e Portugal. Publicou diversas coletâneas poéticas, entre elas “Poesia comprometida com a minha e  a tua vida,” “Mormaço na floresta” e “Acerto de contas.”  Um de seus poemas mais famosos, “Os estatutos do homem,” foi escrito logo após o golpe militar de 1964.

VAMPIROS CONTRA A HUMANIDADE  
De   autoria  de Jay Kristoff, “Império do vampiro” 
(Editora Plataforma21, 976 páginas, R$ 109,90) é o primeiro volume da série de fantasia dark deste escritor. É uma história de batalhas lendárias  e amor proibido, de fé perdida e amizades conquistadas, do Rei Eterno e da busca pela última esperança remanescente da humanidade: o Santo Graal. 

Leituras:
“E quando nos beijávamos... E eu perdia a respiração e, entre suspiros, perguntava: Em que dia nasceste? E me respondias com voz trêmula:  Estou nascendo agora...”
(Mia Couto, escritor e biólogo moçambicano, com uma extensa obra literária, considerado um dos escritores mais importantes da atualidade, com livros publicados em mais de 22 países). 

Destaques:
A ROSA DO CAIRO

\

Autor: Osmar Barbosa                   

Romance espírita escrito por este escritor, que é presidente da Fraternidade Espírita Amor & Caridade, obra assistencialista  localizada na cidade do Rio de Janeiro,  onde atende a milhares de pessoas que necessitam  de ajuda. Com diversos livros espíritas já publicados,  Osmar Barbosa é casado e pai de cinco filhos e iniciou sua trajetória espiritual  após vivenciar  três experiências de quase morte, tendo então encontrado as respostas para seus questionamentos mais profundos   nas obras de Chico Xavier e Allan Kardec. 
Editora Book  Espírita. 269 páginas.  R$ 67,90.

  
A  MISÉRIA DA POLÍTICA    

\                  
Autor: Fernando Henrique Cardoso                           

O livro reúne textos escritos pelo ex-presidente  entre 2010 e 2015,  publicados  em jornais de grande circulação  ou apresentados em conferências  no país e no exterior,  comentando o cotidiano político  do Brasil e apontando  direções possíveis  para a reinvenção da política  e o fortalecimento da democracia. Fernando Henrique Cardoso é sociólogo e professor. Foi senador, ministro do Exterior e  da Fazenda e Presidente da República  por dois mandatos  consecutivos (1995-1999 e 1999-2003). 
Editora Civilização Brasileira. 348 páginas. R$ 19,90. 

(As obras apontadas  no Blog dos Livros  podem ser encontradas   junto à Revistaria e Livraria Nascente,  na Rua Saldanha Marinho,   1423, Cachoeira do Sul) 

\

13/05/22 às 09h40

Os labirintos do poder

06/05/22 às 08h35

Transformando vidas

29/04/22 às 09h00

Um jardim especial

22/04/22 às 13h05

Uma mulher extraordinária

16/04/22 às 09h45

A guerreira de lampião

01/04/22 às 08h42

Garantindo o futuro financeiro

25/03/22 às 08h45

Uma história épica

18/03/22 às 08h25

O Incomparável Elton John

11/03/22 às 08h35

Uma História Trepidante

04/03/22 às 08h15

Um Brasil desconhecido