Blog dos Livros

Percepções para o amor

09/02/2024 09:26 - por Mildo Fenner

Guilherme Renso nasceu em 1986, em São Paulo. Formado em Jornalismo,  atua como redator em agências de publicidade e repórter em um portal de notícias  do ABC Paulista. Começou a  se dedicar à escrita em 2014 e é coautor de “Percepções Singulares de Seres Plurais,” lançado no ano passado.

“Estamos livros para o amor” (Pedro e João Editores, 148 páginas, R$ 35,00) é seu livro de estreia, reunindo  37 crônicas  escritas ao longo dos últimos dez anos.  Dentre esses textos escolhidos  estão as celebradas crônicas  “Alô, Marcianos. A Rita chegou”  e “Pelé assina com o céu,” produzidas, respectivamente,  em homenagem póstuma à rainha do rock, Rita Lee, e ao rei Pelé.

Na obra, Renso narra também suas percepções  de arquétipos  encontrados em aeroportos  e no metrô de São Paulo, entre outros temas. Ele descreve narrativas de personagens reais,  encontrados para muito além de embarques e  desembarques. Aborda a solidão de São Paulo e passeia, nostalgicamente, por sua querida Resende, no sul do Rio de Janeiro.  Viaja pelo mundo doce dos avós e conta o que aprendeu em uma feira de antiguidades.

 “Escolhi, sobretudo, uma linha de raciocínio que se estabelecesse  entre as crônicas.  Deste modo, ofereço duas possibilidades de leitura. A primeira é a  clássica, ou seja,  seguindo o curso  natural da apresentação dos textos, com  seus respectivos temas. No entanto, é possível também apreciá-los em ordem anacrônica, a partir do título delas,” revela.

Sobre a ligação entre os livros e o amor, como sugere o título do livro, ele diz: “Há quem  diga que escrever  é um verbo. Eu não acho! Mais do que isso: duvido e questiono! Escrever é um adjetivo, que descreve todos os outros, até os indescritíveis.”

Os textos são um deleite para todos os sentidos, como afirma a crítica literária Juliana Fontes Santos Piva, que faz a apresentação da obra. Ela acrescenta que “ora os  pensamentos  divagam, divertem-se, emocionam-se; outras vezes ficam sérios, atentos e, até mesmo, sombrios. Afinal,  nem tudo são flores e  amores.”
 

Trecho:

“No  auge  de sua  visão limitada, o compasso mal faz

ideia que a mão que lhe guia sabe para onde o seu  rabisco  será mais forte e pra

qual lado a ponta do grafite pode quebrar, caso vá. O que ele  também não se dá

conta é que, apesar da tinta do grafite sair de suas pernas, a forma que o move e  

a  direção dos rabiscos vêm da mão que o guia.”

                                    (página 45)

NOBEL NO BRASIL    

O  livro “A destruição ou o amor,” do poeta espanhol Vicente Aleixandre, Prêmio Nobel de Literatura de 1977, nunca antes publicado no país, agora está chegando ao Brasil. Com esta obra, que recebeu o Prêmio Nacional de Poesia da Espanha,  considera-se que Aleixandre atingiu sua maturidade literária,  com uma escrita complexa e original marcada pelo surrealismo.

MARINA COLASANTI FINALISTA  

A  consagrada escritora brasileira Marina Colasanti  é uma das finalistas do Prêmio Hans Christian Andersen 2024, considerada a mais importante distinção da literatura infantil no mundo, segundo  foi anunciado na última quinta-feira, dia 18. Os vencedores serão divulgados no dia oito de abril de 2024, na Feira do Livro de Bolonha.


Leituras:                               

 “A tragédia não é quando um homem morre. A tragédia é o que morre  dentro de um homem quando ele está vivo.” 

(Albert Schweitzer, 1875/1965, teólogo, organista, filósofo e médico alemão, tendo recebido em 1952 o Prêmio Nobel da Paz).

 

Destaques:

O SOL E A ESTRELA                      

Autores: Rick Riordan e Mark Oshiro                    

Neste livro, os semideuses Nico Di Angelo e Will Solace  terão que descer até as profundezas do Tártaro  e enfrentar terrores inimagináveis  para salvar um velho amigo. Na aventura, Nico precisará confrontar  verdades difíceis  em seu relacionamento com Will enquanto luta contra demônios poderosos,  inclusive os que vivem dentro dele. Os autores  já receberam diversos prêmios neste gênero literário. Rick Riordan é considerado “o contador de histórias dos deuses,"  com vários livros publicados e mais de sete milhões de exemplares vendidos no Brasil.

Editora  Intrínseca.  381 páginas.  R$ 69,90.

                                                                                                                                                                                               

A  VILA DOS TECIDOS                              

 

Autora: Anne Jacobs                            

A história acontece em Augsburgo, em 1913. Após uma infância difícil num orfanato, a jovem Marie finalmente consegue um emprego como assistente de cozinha na imponente mansão da Vila dos Tecidos. Ocupando o posto mais baixo na hierarquia dos criados, Marie  precisa aprender a lidar com as intrigas  e  as disputas de egos, evitando criar inimizades ao mesmo tempo em que se impõe  para conquistar o respeito dos colegas. Nascida na Alemanha, Anne Jacobs estudou música e línguas, foi professora do ensino médio e trabalhou em uma livraria antes  de começar a escrever poemas e contos. Depois que publicou o primeiro romance, não parou mais. Já lançou mais de 30 livros, mas foi com a saga “A Vila dos Tecidos,” fenômeno de vendas  em vários países, que se tornou conhecida mudialmente.

Editora Arqueiro. 501 páginas. R$ 69,90.

 

(As obras apontadas no Blog dos Livros podem ser encontradas  junto à Revistaria e Livraria Nascente,  na Rua Saldanha Marinho, 1423, Cachoeira do Sul)

Faça seu login para comentar!
23/02/2024 09:54

O melhor de cada um

16/02/2024 08:59

História familiar

02/02/2024 09:39

Escuridão da floresta

26/01/2024 09:45

Entre prosa e fotografia

19/01/2024 10:20

Cardume de poemas

12/01/2024 09:16

Celebrando um cantador

05/01/2024 09:51

Descamuflando a cretinice

29/12/2023 09:32

O poder da pausa

15/12/2023 09:04

O teatro brasileiro

07/12/2023 16:27

A trajetória de um disco