Carnaval com poesia

02/03/22 às 08h45



A poesia é um meio de reflexão sobre a vida e sobre os acontecimentos; sua produção intrinsecamente preserva e reporta sentimentos, o cotidiano, a identidade, as raízes e a cultura de seu povo. Neste contexto a festa pagã se insere. Seja no salão ou na avenida.

O carnaval, maior festa popular do Brasil, possui como premissa, transitar entre o erudito e o popular.  Sejam nos sambas-enredos, poemas musicados dotados de ritmos cadenciados que expressam tanto sentimentos individuais quanto questões sociais e/ou culturais (são comuns homenagens a artistas, cidades, fatos históricos...) ou nas fantasias (palhaço, bailarina, cigano, índio...) onde cada folião veste seu sonho, seu devaneio, sua própria loucura particular, alheio a preocupação e despidos da rotina.

A festividade que pode ser considerada praticamente um ritual ou uma celebração nacional por excelência, têm como tônica alguns traços característicos inerentes como a espontaneidade, a magia, a alegria, a criatividade, a harmonia, a diversidade e o apelo informal, entre outros tantos... Além de personagens típicos como o momo e outros advindos da commedia del arte ... Arlequim, Colombina e Pierrot. 

Bom divertimento e boa leitura.
Por Tiago Vargas

Naquele carnaval, 
Pois,
Pela primeira vez na vida eu teria o que sempre quisera:
Ia ser outra que não eu mesma.
Clarice Lispector

O homem e seu carnaval
Deus me abandonou
no meio da orgia
entre uma baiana e uma egípcia.
Estou perdido.
Sem olhos, sem boca
sem dimensões.
As fitas, as cores, os barulhos
passam por mim de raspão.
Pobre poesia.
O pandeiro bate
é dentro do peito
mas ninguém percebe.
Estou lívido, gago.
Eternas namoradas
riem para mim
demonstrando os corpos,
os dentes.
Impossível perdoá-las,
sequer esquecê-las.
Deus me abandonou
no meio do rio.
Estou me afogando
peixes sulfúreos
ondas de éter
curvas curvas curvas
bandeiras de préstitos
pneus silenciosos
grandes abraços largos espaços
eternamente.
Carlos Drummond de Andrade


Carlos Drummond de Andrade

Soneto de Carnaval
Distante o meu amor, se me afigura 
O amor como um patético tormento 
Pensar nele é morrer de desventura 
Não pensar é matar meu pensamento. 

Seu mais doce desejo se amargura 
Todo o instante perdido é um sofrimento 
Cada beijo lembrado é uma tortura 
Um ciúme do próprio ciumento. 

E vivemos partindo, ela de mim 
E eu dela, enquanto breves vão-se os anos 
Para a grande partida que há no fim 

De toda a vida e todo o amor humanos: 
Mas tranquila ela sabe, e eu sei tranquilo 
Que se um fica a outra parte a redimi-lo. 

Vinicius de Moraes

Poemas poesias versos
Vida, carnaval:
Euforia no começo,
Cinzas ao final...
Francismar Prestes Leal

Carnaval
máscara nacarada 
na cara da noite
cravada
insana mente
ser Colombina
mina de pierrôs 
sina de arlequins
Colombina purpurina
eis meu eu fora de mim. 
Cristina Macedo

Quarta-feira de cinzas
A quarta-feira é de cinzas.
A Colombina que ora flertava
Com o Arlequim, ora com o Pierrot, 
Tirou a maquiagem,
Despiu-se da fantasia
E a guardou no fundo do baú.
E lá se foi ela...enfrentar a vida.
A bateria silenciou,
O surdo, o repique,
O chocalho,
E até a meia lua,
Acomodaram-se em suas caixas.
 E as fantasias, com suas fantasias,
Jazem em um canto
Encharcadas e suores 
E salpicadas de purpurinas.
Só o palhaço
Não consegue limpar o rosto.
As lágrimas borram as cores...
Mas nem o nariz sai?
Palhaço, pobre palhaço...
Terá que enfrentar
Todos os outros dias,
De um país chamado Brasil.
Evanir Jacobi

Carnaval
Não há mais samba,
Calaram-se os agogôs e tamborins.
O som da cuíca deu seu último grito.
E o eco, despediu-se da avenida.
Silenciaram a vozes
Dos puxadores de samba
Roucos  estão de tanta cantoria.
Despidas de fantasias e sonhos,
Estão todas as alas...
Desceram dos saltos as passistas,
Dos pés doídos e machucados.
As baianas, que rodavam as saias,
E bailados multicores... descansam.
A porta bandeira
Enrolou-se no manto,
E o estandarte foi sumindo na multidão.
O mestre sala,
Foi ser mestre  em outra freguesia.
Não há mais suores em rostos anônimos.
Calaram-se todos os sons.
E os sonhos de carnaval,
Ah, os sonhos de carnaval...
Foram guardados na caixinha mágica,
Onde se guardam todas as ilusões.
Evanir Jacobi

Enterro dos ossos
Encerra-se o carnaval
E nas cinzas
Da minha memória
-embaçada de suor
E pelo cansaço –
Desfila a imagem
De meninos
Que vendiam pipocas,
Dos menores de rua
Que se exibem
Nos intervalos
Dos grandes eventos.
Na nostalgia
Da quarta-feira, 
Meu coração
Amanhece angustiado
Com o guri
Fantasiado de gente
Que vive
À margem da folia
Carregando
A bandeira triste
Do esquecimento.
Magali Vidal Domingues

Realidade fantasiada
Os meus poemas 
Pulam no trio elétrico
Desfilam em  bloco de papel
Desliza pelo corpo de mel
Da linda musa  da bateria
Que usa uma máscara...
Dourada de abelha rainha.
As palavras que eu escrevo
Fantasiadas de metáforas
Sambam, e dançam  frevo
Fervem de tanta alegria,
Evaporam o pranto na folia
E a chama do carnaval se apaga
E  na avenida a fênix não avisa
Que a triste realidade renasce
Na quarta-feira de cinza.
Cleiton Leal

Terça de cinzas
A festa pagã
Brilho e magia
Lembra amanhã
Fim de fantasia...
Sem pão, sem café.
Samba enredo
“Andar a pé
Espantar o medo
Salário de fome
Volta aos trabalhos
O menino e o homem
A vida em retalhos 
Compondo a canção
Samba, roubo e futebol
Nesta pobre nação
Cheia de flores e sol.
Mara Garin

Folia caseira 
Não fui ao carnaval.
Ouvi música no rádio,
tamborim no bairro de trás.
Na TV,gente colorida, 
no jornal ,notícia amanhecida
Fiquei de ressaca
De cara e alma dolorida.
Renate Elisabeth Schmid de Aguiar  

Carnaval das palavras 
Lá vem elas ...As palavras 
Vestidas  lindamente de melodia 
Invadem meu forte ...Que ironia!
E transformam  as minhas 
masmorras  em folia.
E neste universo da orgia 
O meu corpo é alegria .
Lá vem elas ... As palavras 
Todas em forma de poesia 
Derrubam meus muros ...Que agonia !
E o meu coração pleno de fantasia 
Mergulha em imensa euforia.
Lá vem elas ...As palavras
Iluminadas pela luz do dia
Devastam-me como epidemia 
Lá vem elas ...Todas nuas 
E trazem lembranças tuas.  
Marion Cruz

SANTO ENREDO
Se não tem samba
a gente esculhamba!
Se não tem cachaça
a gente esculacha!
Chama a Comissão de Frente
chama a Ala de Havaianas.
Repica esse tamborim
dedilha esse cavaquim.
Se não tem erva
a gente se enerva.
Se não tem pó nem cachimbo
a gente bate o carimbo.
Abre esse largo gargalo 
pra gente alegrar o galo.
Dá o torresmo esbranquiçado
pra nóis ficar repimpado.
Vão rezar o enredo santo!
Isso é pouco, por enquanto.
Juntem as mãos num Amém!
Junta aí, você também!
Dilan camargo

22/06/22 às 09h50

Glauber Vieira Ferreira

15/06/22 às 08h50

Academia Cachoeirense de Letras

08/06/22 às 10h55

Fotopoemas

25/05/22 às 08h40

Milton Avena Rauber

18/05/22 às 17h05

José Carlos Capinam

11/05/22 às 09h10

Dércio Braúna

04/05/22 às 13h40

João Paulo Paes

20/04/22 às 09h11

Gonçalino Fagundes

13/04/22 às 08h48

Lygia Fagundes Telles

06/04/22 às 08h30

O profeta, de Khalil Gibran