O vestido de noiva amaldiçoado

19/05/22 às 09h05 - por Gisele Wommer



\

Maio é o mês das noivas. Não podia faltar uma história assombrada, não é? Vamos falar hoje sobre Anna Baker, uma garota de uma rica e influente família americana. Em 1849 apaixonou-se por um rapaz trabalhador da indústria do ferro. O pai, Ellis Baker, não permitiu o romance dos dois de forma alguma, afinal, jamais entregaria a filha a um homem de classe inferior e naquele caso, seu empregado.

Para tentar convencer o pai, Anna comprou um belo vestido de noiva e vestiu, achando que ele mudaria de ideia em lhe ver tão feliz preparada para o próprio casamento. De nada adiantou, na verdade foi ainda pior. O pai baniu seu amado para bem longe e Anna nunca mais teve notícias dele.

Durante anos Ellis apresentou a filha aos mais variados pretendentes, todos ricos e influentes, casamentos que ele aprovaria. Mas Anna estava decidida, se não pôde ter o seu amor, entregou sua vida ao celibato. Os anos passaram, os pais morreram, Ana ficou velha e sozinha, morando no casarão da família. E a loucura passou a ser sua única companhia. Volta e meia vestia a peça que comprou para o casamento que nunca teve, imaginava-se no próprio baile, dançando com o noivo que nunca foi seu. Punha-se a bailar pela casa, para a estranheza e reprovação de seus serviçais. 

Na solidão, catatônica, Anna faleceu já idosa. A mansão Baker, imponente e isolada no alto de uma colina foi conservada e transformada em um museu. Dizem que Anna nunca saiu da casa. Trabalhadores do local e visitantes afirmam ver o vulto de uma mulher caminhando pelos corredores, descendo as escadas, às vezes até bailando sozinha pelas imensas salas do primeiro andar.

O mais assustador ocorre no quarto que era de Anna, onde o vestido ficou por anos em exibição, em uma caixa de vidro, de frente para um espelho. Os visitantes afirmavam sentir arrepios quando ficavam de frente para o vestido, e muitas vezes viam uma mulher através do espelho, vestida de noiva.

Anna Baker é uma mulher que cujo nem a morte foi capaz de dar um fim nas amarguras da vida. 

Curiosidade: A Mansão Baker segue aberta para visitação na Pensilvânia, Estados Unidos, porém o vestido foi recolhido devido ao seu estado de degradação.

Frase: “Ainda que efêmeros, os amores proibidos compensam o tempo curto com intensidade.” Luiz Roberto Bodstein.

23/06/22 às 09h26

O caso Varginha

16/06/22 às 08h30

Um par infernal

09/06/22 às 08h40

A Loira do Banheiro

02/06/22 às 08h45

O cavalo e o cemitério

26/05/22 às 08h37

Quadros de crianças chorando

12/05/22 às 11h00

Um personagem sombrio

05/05/22 às 08h30

A Caixa de Dibbuk

28/04/22 às 09h00

A garota poltergeist

21/04/22 às 09h36

Os fantasmas do Theatro

14/04/22 às 09h55

A moça do táxi